IGREJA E DENOMINAÇÃO PORQUE TANTA DIFERENÇA

sexta-feira, 14 de abril de 2017

CARNE OU PEIXE O QUE COMER MESMO?

ALUNO DO CRISTO, AMANTE DA VIDA, AMIGO DO HUMANO, ADMIRADOR DA CRIAÇÃO, AUXILIAR DA SOCIDADE.


CARNE OU PEIXE O QUE COMER HOJE?
É muito comum perguntas do tipo Porque os Evangélicos não comemoram a SEXTA FEIRA SANTA ou SEXTA FEIRA DA PAIXÃO? Qual base Bíblica se tem para a prática de não comer carne na sexta-feira santa, alegando que isto é pecado? Deve os cristãos lembrar-se da morte de Jesus através da celebração da Sexta-Feira Santa?
A Semana Santa é um período religioso do Catolicismo que celebra a subida de Jesus Cristo ao Monte Calvário, sua crucificação e a sua ressurreição. A primeira celebração da Semana Santa foi em 1.682 pelos cristãos. Ela é uma das conclusões do Concílio de Nicéia. (O Concílio de Nicéia foi um concílio de bispos junto com imperador romano Constantino, onde a Igreja ficaria livre das perseguições), regido pelo Papa Silvestre I e patrocinado pelo imperador Constantino (um dos maiores responsáveis pelo sincretismo religioso dentro do catolicismo romano), em 325 d.C., que determinou a doutrina da Igreja Católica, transformada em religião oficial do Império Romano. Desde então, festejam-se a paixão, morte e ressurreição de Cristo. (Sincretismo Religioso é misturar uma religião com outra)
Deus não divide sua Glória com ninguém! “Eu sou o Senhor! Este é o meu nome e eu não reparto a minha glória com ninguém…; (Is 42:8)
Por que a Sexta-Feira Santa é conhecida como “da Paixão”, se o que fizeram com Jesus não foi algo bom? Alegam que os resultados da morte de Cristo são muito bons, pois demonstra a grande Paixão de Deus por nós! “Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. ” (Rm 5:8). Por isso chama assim! Na Bíblia não há nenhum registro de Sexta Feira da Paixão, este nome foi criado pelo homem!
Sexta-feira Santa ou Sexta Feira da Paixão é a sexta-feira antes do domingo de Páscoa. Está é comemorada tradicionalmente como o dia em que Jesus foi crucificado, porém os dias do calendário mudaram várias vezes ao longo do tempo, portanto não se sabe a data que Jesus morreu. Não há nenhuma indicação histórica que esta é a data exata em que Jesus morreu. Esta data da sexta-feira santa foi estipulada pela igreja Católica para ser celebrada, mas não existe nenhuma data estipulada na Bíblia.
A prática de não comer carne em determinados dias, não tem nada a ver com Jesus e nem com as igrejas. O que poucos sabem é que esta data está diretamente ligada à comemoração do “Carnaval” que é uma festa de origem pagã e que quer dizer “carne-valle” ou “adeus à carne”. E a Páscoa assim como a paixão de Cristo cai sempre em uma data diferente, isto porque ela está relacionada com a festa da carne (Carnaval – Festa Pagã), desde tempos antigos o povo festejava durante quatro dias e neste período comia carne à vontade em meio aos festejos porque iria passar quarenta dias jejuando era o período da quaresma. Então, contava-se o dia que antecedia há estes 40 dias (chamado de Quaresma) e faziam neste dia uma grande festa de despedida do uso de carne e bebidas. Neste dia podiam fazer toda e qualquer extravagância. Diziam que neste dia a Carne Valia, “Era o “Carne Vale”. Daí a palavra “Carnaval” que significa “prazer da carne”, ou seja, carnaval onde as pessoas vivem quatro dias de prostituição, fornicação, drogas, bebedeiras e centenas de mortes e depois ficam 40 dias em penitência.
Na quarta de cinzas a tradição é que se desenhe, com cinzas, o sinal da cruz na testa do seguidor do catolicismo que pulou carnaval durante a semana. A explicação de membros católicos é que esta prática é para lembrar que “somos pó e ao pó voltaremos”. Porém esse era um antigo costume judaico e tipificava arrependimento, humildade e sofrimento, quando alguém queria se humilhar na presença de Deus era assim que a pessoa se portava, significando que estava arrependido, angustiado e suplicando perdão de Deus.
A Bíblia contém inúmeras narrativas de pessoas usando “poeira e cinzas” na cabeça como símbolo de arrependimento e/ou sofrimento “Então Tamar tomou cinza sobre a cabeça, e a roupa de muitas cores que trazia rasgou, e pôs as mãos sobre a cabeça, e foi-se andando e clamando”. (2 Samuel 13:19). A questão é que este costume era somente no Velho Testamento, agora estamos na Nova Aliança, Novo Testamento, não precisamos mais seguir as Leis do Velho Testamento, e este ato de colocar pó na cabeça era devido a suplicar perdão ato que demonstrava arrependimento e não que faz cada pessoa lembrar que do pó veio e para o pó voltará!
É na quarta-feira de cinzas que começa a quaresma. A Bíblia também não menciona a quarta-feira de cinzas.
tammuz-deus
Festas puramente pagã e ainda assim foram aceitas pela Igreja Católica Romana e pelas igrejas cristãs apóstatas como “cristã”. (Apóstatas: É o esfriamento da fé, o abandono dos princípios bíblicos, se trata de uma igreja ou um indivíduo que aderiu ao mundanismo e aos costumes seculares\mundanos, substituindo os princípios de Deus). A Quaresma está ligada a celebração da morte de Tamuz. A lenda diz que ele foi morto por um javali selvagem aos quarenta anos. Portanto, a Quaresma celebra um dia para cada ano de vida de Tamuz (America’s Occult Holidays, de Doc Marquis e Sam Pollard). Os participantes deviam expressar seu pesar pela morte precoce de Tamuz pranteando, jejuando e se autoflagelando.
Podemos ver a ira de Deus sobre essa celebração da Quaresma “Ele me levou ao portão norte do templo. Lá, sentadas, estavam algumas mulheres chorando por Tamuz, seu deus. Ele me perguntou: “Filho do homem, você está vendo o que está acontecendo aqui? Mas há pecados ainda piores do que estes”. (Ez: 8:14,15).
A abstinência (retirada) de carne no cardápio das pessoas e jejum são algumas das recomendações da Igreja Católica. Mas, ao contrário do que muitos pensam, a Igreja Católica recomenda que todas as sextas-feiras do ano sejam reservadas à abstinência de carne e não apenas aquela considerada “santa”. É o que diz o Código de Direito Canônico (http://www.vatican.va/archive/cod-iuris-canonici/portuguese/codex-iuris-canonici_po.pdf), o livro que dita ás regras da Igreja Católica.
Durante toda a Quaresma, o período de 40 dias que antecede a Páscoa a recomendação da Igreja é que o fiel não coma carne fazendo assim esta ação de sacrifício, para eles está penitência mostra que o fiel está disposto a sacrificar algo de seu dia a dia em memória de Cristo com jejum e atos de caridade com dedicação ao próximo. Mas amar o teu próximo e ter atos de caridade, não é uma penitência, isto é o que todo Cristão deve fazer independente de ordens dadas por homens de carne e osso, afinal quem tem Jesus dentro do coração, logo tem caridade! E isto é uma ordenança de Jesus e não uma penitência!
“Ame o seu próximo como a si mesmo” (Mt 22:39)
Quer você goste ou não, Jesus Cristo não receberá aqueles que tentam servir ao paganismo e ao cristianismo ao mesmo tempo. A plenitude do Espírito Santo mais do que compensará qualquer prazer que você possa ter renunciado ao deixar de praticar esses atos pagãos.
“E que harmonia pode haver entre Cristo e o diabo? Como pode um crente ser companheiro de alguém que não crê? E que união pode existir entre o templo de Deus e os ídolos? ” (2 Co 6:15,16)
A páscoa que se comemora atualmente é uma homenagem à deusa Ishtar/Eostre (a Páscoa pagã), esta deusa tem vários nomes, onde se presta grande importância na guarda das datas, dias, meses, etc. Em toda a Escritura, Deus adverte seu povo a não servir aos falsos deuses estrangeiros nem copiar suas “obras”. Entretanto, geração após geração de judeus no Velho Testamento eles conseguiam achar o sistema idólatra de adoração das nações pagãs circunvizinhas absolutamente irresistíveis. Ao ler o Velho Testamento, você encontra Deus advertindo seu povo repetida vezes a não seguir a religião, as tradições e as práticas das nações que adoravam a deuses estranhos a Israel.
Mas o povo de Israel se recusava a obedecer às advertências de Deus e mergulhava fundo na adoração pagã de seus vizinhos. Esse paganismo penetrou até mesmo nos círculos internos do governo, sob a liderança de maus reis e no Templo por meio dos sacerdotes idólatras. Em numerosas ocasiões, Deus levantou reis justos que imediatamente iniciavam uma limpeza física no templo, no sacerdócio e dos judeus seguidores de Baal, arrancando tudo o que era voltada a idolatria.
Portanto a semana santa não tem sentido para nós a sua comemoração, visto que não representa sequer a ressurreição de Jesus, e sim, a revitalização de uma festa milenar e pagã de fertilidade em homenagens a deuses estranhos a nossa fé e que ofendem a Deus por ter ligação com o paganismo.
“Podem estar certos disto: o reino de Cristo e de Deus nunca será de ninguém que é imoral ou impuro ou ganancioso ou idólatra. Esses não têm herança no Reino de Cristo e de Deus. Não se deixem enganar por aqueles que procuram justificar estes pecados, porque a terrível ira de Deus, está sobre todos aqueles que os praticam” (Efésios 5: 5,6)
Que os homens conheçam a VERDADEIRA PÁSCOA, se arrependa antes que seja tarde demais e receba o SENHOR JESUS CRISTO COMO ÚNICO SALVADOR E SENHOR.
A Páscoa foi substituída pela SANTA CEIA!
Vivemos agora na época do Novo Testamento, Nova aliança, agora o nosso alvo é a importância da morte do Senhor Jesus, e devemos nos lembrar disso, até a volta dele, para nos buscar; isto é, devemos lembrar-nos da Sua morte na Ceia do Senhor. Esta Sim foi a Recomendação Dele!
A celebração da Santa Ceia foi introduzida por Jesus no dia em que morreu. Ele havia comemorado a festividade judaica (Páscoa) com seus apóstolos. O Senhor Jesus disse que deveríamos comer do pão e tomar do cálice em sua memória, a Santa Ceia significa sua morte. Para os cristãos a morte de Cristo SUBSTITUI a Páscoa. A Santa Ceia é uma ordenança que Jesus nos deixou.
“ (…) fazei isto em memória de mim. Semelhante também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o NOVO TESTAMENTO (NOVA ALIANÇA) no meu sangue…; ” (1 Co 11: 24,25)
COMER CARNE NÃO É NUNCA FOI E NUNCA SERÁ PECADO!
Nos evangelhos apócrifos escritos por grupos herméticos (Hermético: É não compreensível, obscuro, pouco claro) do Egito e da Ásia Menor no segundo e terceiros séculos da nossa era as pessoas evitavam a carne por causa de suas crenças panteístas, isto é, criam que Deus estava em todos os seres vivos. Panteísmo é a Crença de que Deus e todo o universo são uma única e mesma coisa e que Deus não existe como um espírito separado. O panteísmo ensina que Deus é todo o universo, é a mente humana, é as estações e todas as coisas e ideias que existem. A palavra panteísmo vem de dois termos gregos que significa “tudo é deus”.
De onde surgiu o dizer de que estão comendo a carne de Cristo?
Alegam que fazem uma alusão ao sangue de Cristo, como a carne “tem sangue”, evita-se para não estar “comendo o sangue” que saiu de Cristo. Então, eles alegam que o peixe, carne muito branca, não tem sangue, por isso, o bacalhau, por exemplo. Mas espera aí, o peixe também tem sangue?
Nas leis do povo hebreu, se um homem tiver cometido um pecado digno de morte, for morto e pendurado no madeiro. Seu cadáver não permanecerá toda a noite no madeiro, mas certamente o enterrará no mesmo dia, pois quem fosse pendurado é maldito de Deus. Assim não contaminará a tua terra. Foi com base nesta lei hebraica que pediram para tirar o corpo de Jesus da cruz. Pois pelo costume de Roma, um homem crucificado ficava lá até que os abutres comessem suas carnes ficando só a caveira pendurada. Daí o nome Calvário. Mas isto era um costume de Roma e nada tem a ver com os Cristãos, não tem lógica em dizer que estão comendo a carne de Cristo. Narra-se de uma lei da época e não uma profecia e quem comia a carne no madeiro eram os abutres (urubus) e não as pessoas, muito menos os Cristãos!
“Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito. ” (I Pedro 3:18)
Portanto não existe nenhum fundamento Bíblico dizer que quem come carne na sexta-feira santa está comendo a carne de Jesus!
Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; Porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro. Portanto não quer dizer que Ele era o maldito de Deus e sim que Ele se fez maldito para que nós hoje pudéssemos ser benditos. “Entretanto, Cristo nos comprou e nos redimiu da maldição da Lei, quando se tornou maldição em nosso lugar. Porque está escrito nas Escrituras: “Maldito todo aquele que for pendurado num madeiro”. (Gálatas 3:13)
Na Idade Média, o Papa Nicolau I, no século IX, instituiu como lei aquilo que era somente um costume. E, assim, a penitência passou a ser obrigatória para todos os cristãos a partir da idade da razão (sete anos). Tal costume se arrefeceu com o tempo e, inclusive, os fiéis passaram a se questionar acerca da obrigatoriedade da abstinência na sexta e se os mesmos não observassem este preceito se então seria um pecado mortal ou leve. Diante disso, o Papa Inocente III, no século XIII, decretou que realmente é pecado grave para os católicos não seguir tal doutrina. E no século XVII, o Papa Alexandre VII anatematizou (Excomungou, Amaldiçoou) quem dissesse que não era pecado grave. Essa disciplina foi até 1983, quando houve a promulgação (Decretou esta Lei publicamente) do novo Código de Direito Canônico. No cânon 1251, lemos que é obrigatório fazer “abstinência de carne ou de outro alimento […] em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades (Outras cerimônias) ”
O Novo Testamento não fala da perpetuidade\duração\continuidade da Páscoa. A Igreja Católica também criou uma incoerência com a sexta feira santa com a proibição de comer carne. A páscoa judaica era justamente o contrário disso! Era a Festa que o cordeiro devia ser comido e ainda sem guardar as sobras!
Cristo comemorou a páscoa, pois era Judeu e seguiu TODA A LEI e com certeza tinha carne de Cordeiro na páscoa comemorada por Ele. Sendo está uma celebração exclusiva do povo de Israel, pois nós temos em Êxodo 12:3 o seguinte: “Falai a toda a congregação de Israel…” – É uma festa que deve ser guardada por todos os filhos de Israel “Todos os membros da comunidade de Israel terá que celebrar a Páscoa”. (Êx 12:47). E mais, o estrangeiro não deve comer dela, “O Senhor disse ainda a Moisés e Arão: “Esta é a ordenança da Páscoa: ‘Nenhum estrangeiro poderá comê-la”. (Êx 12:43). Se por acaso, um estrangeiro, um gentil (eu e você), quiser participar da páscoa, deve ser circuncidado “ (…) depois de ter sido circuncidado, poderá comer a Páscoa” (Êx 12:43). (Circuncida é Igual operação de fimose) – Circuncidará um salvo em Cristo para participar da páscoa? Isso é estar debaixo da Lei, e não da graça! A Palavra Gentil ou Gentios quer dizer uma pessoa que não é israelita.
Jesus Comeu carne na páscoa! “Então chegaram Jesus e os outros discípulos, e na hora certa todos se reuniram à mesa. E ele disse: “Eu estava esperando muito ansiosamente esta hora, desejoso de comer a refeição da Páscoa com vocês, antes de começar meu sofrimento”. (Lucas 22:14,15) – Aqui neste versículo mostra a participação de Jesus ao participar do cordeiro pascal. Portanto, a Bíblia sugere que Jesus comeu carne. Jesus Cristo era obrigado a comer carne pelo menos uma vez por ano!
A Páscoa instituída no Velho Testamento, nada tem semelhança com páscoa instituída pela Icar, vivemos na Graça e não na Lei, após o sacrifício de Cristo na cruz TUDO mudou, a páscoa é um mandamento somente para o povo de Israel, e não para os outros povos, quanto mais para a Igreja de Cristo quem quer viver na Lei, tem que seguir à risca TODA a Lei de Moisés. Terá de deixar de participar da Ceia do Senhor periodicamente e deverá imolar um cordeiro, e comer por sete dias, pães ázimos e ervas amargas… (Êx 12). Só aqui neste ponto já se torna incoerente com a regra imposta pela Icar, pois aqui todos devem comer UM CORDEIRO!
Não há nada escrito na Bíblia que impeça de comer carne!
Quando fala em “carne”, o Código de Direito Canônico da Igreja Católica não diz “carne de boi”, “carne vermelha”, “carne branca” e muito menos libera carne de peixes e de outros animais. No entanto, diz que o fiel pode se abster de carne, desde que isso signifique um pequeno sacrifício. Logo então peixe tem carne? Qual a lógica nisso?
Quando Jesus disse: “Comer a minha carne e beber do meu sangue” significa, portanto, a necessidade que temos de estarmos permanentemente em comunhão com Jesus, e em obediência à Sua Palavra, devemos ter fome da Palavra, para que a chama da nossa fé continue acesa. É esse o verdadeiro sentido da mensagem! Jesus disse que “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” (Jo 6:56). Por essas Palavras Jesus ensina que não é um comer e beber físicos, mas que Ele é a única fonte da graça e da vida espiritual. Essa vida é uma vida eterna em comunhão com Deus. Tal como Jesus disse, “Todo aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue está em mim, e eu nele…” (João 6:54). Por comer e beber Cristo nós temos comunhão com Ele, que concede sua vida a nós, assim como o pão alimenta o corpo. Jesus também é o nosso sustento! A graça e a vida de Cristo não são transmitidas a nós pelo nosso comer com a boca, mas pela obra do espírito mediante a Palavra, pela fé, que Cristo transmite a Sua vida a nós. E pelo partilhar da graça do Seu Espírito mediante a fé é que nós o comemos. A Graça (Misericórdia de Deus) não pode ser ingerida com os dentes. “Afinal de contas, o Reino de Deus não é o que comemos ou bebemos, mas sim a justiça, a paz e a alegria que vêm do Espírito Santo”. (Rm 14:17).
“Lembrem-se tão somente que Deus não se importa se comermos isso ou não. Não ficaremos piores se não o comermos, nem melhores se o comermos. ” (I Co 8:8)
Para nós hoje Jesus Cristo foi o próprio cordeiro, sem defeito, sem pecado que se entregou por nós! Não comer carne é um costume católico, não está escrito na Bíblia, não é mandamento de DEUS.
“O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem”. (Mt 15:11)
Deus nos deu os animais por alimento!
Toda proibição de ALGUNS tipos alimentos era SOMENTE no Velho Testamento e para os Judeus (Você não é judeu…é?). O animal foi feito para a sua existência do ser humano. Por ocasião do dilúvio Deus autorizou que o homem comece carne como alimento por motivo da exterminação de todo vegetal para todos os habitantes do planeta depois do dilúvio. Naquela ocasião Deus deu aos homens, até então vegetarianos os animais como alimento. Quando sobreviveu à devastação do Dilúvio, Noé sai da Arca, e ouve do Todo Poderoso: “Tudo o que vive e se move lhes servirá de alimento, além dos vegetais”. (Gn 9:3)
Deus alimentou o povo com codornas! Durante a trajetória do povo de Israel no deserto Deus mandou codornizes para alimentá-los, pois eles queriam comer carne. “Disse ainda Moisés: “O Senhor dará carne a vocês para comerem ao entardecer…” (Ex 16:8) –  “De fato, ao entardecer apareceram muitas codornizes e cobriram o lugar onde estavam acampados…” (Ex 16:13)
A única restrição bíblica que encontramos em relação ao alimento, é em não comer carne com o sangue e carne de sufocado!
Deus deu a carne do animal, mas o sangue não. “Quando um israelita ou um estrangeiro que vive no meio do povo caçar um animal ou uma ave que se pode comer, deverá derramar o sangue na terra e depois cobri-lo com terra, porque a vida de todo ser vivente está no seu sangue. Por isso, mandei os israelitas não comerem o sangue de nenhum animal, pois o sangue é a vida. Quem comer sangue será expulso do povo. ” (Lev: 17:13,14). E após alguns anos, eles reconheceram que ainda deveriam ‘guardar-se do que é sacrificado a ídolos, bem como de sangue’. “Quanto aos gentios convertidos, não estamos pedindo de modo nenhum que sigam estes costumes judaicos, a não ser aqueles pontos sobre os quais já escrevemos a eles; não comer alimento oferecidos aos ídolos, não comer carne de animais estrangulados (sufocados) sem sangrar…” (Atos 21:25)
Tudo que está escrito no Novo Testamento é o que realmente devemos praticar, portanto a única ordem dada pelo Espírito Santo é para se ABSTER DAS CONTAMINAÇÕES DOS ÍDOLOS, CARNE SUFOCADA E DO SANGUE DE ANIMAIS.
Não estou dizendo que as pessoas estão pecando por se abster, estou dizendo que não é pecado comer. No Novo Testamento, orienta-se SOMENTE a não comer SANGUE, porque sangue é VIDA! Mas não fala nada de NÃO comer carne! “Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência. ” (1 Co 10:25)
Peixe tem carne! Assim como outros animais, peixes têm sistema nervoso complexo e são plenamente capazes de sentir dor e desespero. Quando são retirados da água e mortos por asfixia e golpes de faca, é exatamente isso que eles sentem. Dor e desespero! Peixe é carne branca, mas é carne. E peixe tem sangue, sente dor e tem vida antes de ir parar no seu estômago! Comem peixe para se unir a dor de Cristo, olha, neste ato de só comer peixe o único que sentiu dor foi o Peixe! E não é sacrifício nenhum deixar de comer carne por um dia. Se quiser respeitar o sacrifício de Jesus Cristo descrito na Bíblia, isto inclui não causar sofrimento a quem quer que seja!
Alegam usar o peixe devido a ser o símbolo do Cristão!
peixe-ichthus-texto-carne
O Peixe foi símbolo adotado pelos primeiros cristãos. A palavra peixe em grego é (ICHTHUS) este era um símbolo da confissão da fé, e significava: “Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador. ” Até hoje este é um símbolo usado entre os Cristãos. O costume de comer peixe na sexta-feira santa também está associado ao fato de Jesus ter repartido este alimento entre o povo faminto. Jesus multiplicou os peixes e os pães, mas não instituiu ali uma regra! Ali o milagre era da “MULTIPLICAÇÃO” e não a imposição de uma nova doutrina, proibindo o homem de comer carne! Jesus Cristo multiplicou peixes e pães porque era o que eles tinham no momento. Se ali só tivesse pão com salame, seria pão com salame!
Jesus usou por várias vezes linguagens figurativas (Figurativas\Metáforas: Ex: Esse moço é um “GATO! ” – Bom é apenas um moço “BONITO”, não necessariamente ele é um animal felino). Assim Jesus também disse “Eu sou a porta”, “Eu sou a videira verdadeira”, e nem por isso compreendemos que Ele seja como uma porta de madeira, ou como uma árvore. Outra expressão figurada usou Jesus na instituição da Santa Ceia, Ele disse, referindo-se ao pão: “ (…) Tomai, comei, isto é o meu corpo”. E, referindo-se ao vinho disse: “ (…) Isto é o meu sangue” (Mt 26:26,28)
Raciocínio Lógico! Era através do desenho de um peixe que os CRISTÃOS se identificavam, uns com os outros! Ainda neste raciocínio então Jesus era considerado o Maior de todos os Peixes, se reunindo todos em uma sexta-feira somente para comer peixe, ou seja, é o dia de matar os CRISTÃOS!?
Quer dizer então que aquele pai de família que não tendo dinheiro para comprar o peixe que fica um valor absurdo nesta época devido esta tradição, então o pobre será condenado junto com seus filhos se comerem carne, sendo que não tinham condições de comprar peixe?
Comida e bebida nunca tornou ninguém mais santo nem menos santo o que nos santifica é a Palavra de Deus quando praticada corretamente.
“Nem vocês entendem? perguntou ele. “Vocês não percebem que o que entra no homem não pode torna-lo ‘impuro’? Pois a comida não entra em contato com o seu coração, mas apenas com seu estômago, sendo depois eliminada”. Ao dizer isso, ele mostrou que todo tipo de comida era ‘puro’. Então ele acrescentou: “O que saí da pessoa é que a torna ‘impura’. Porque de dentro, do coração dos homens, vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os assassínios, os adultérios, os desejos de possuir o que pertence aos outros, a falta de temos a Deus, o engano, as paixões carnais, a inveja, a calúnia, o orgulho, e todas as outras loucuras. Todos esses coisas ruins precedem de dentro; são elas que tornam as pessoas ‘impuras’.  (Mc 7:18,23). O que sai (palavras) do homem isso contamina o homem.
Uma desculpa para quem quer seguir esta tradição de homens é. Romanos 14!
“Aceitem o que é fraco na fé, sem discutir assuntos controvertidos. Um crê que pode comer de tudo; já outro, cuja fé é fraca, come apenas alimentos vegetais. Aquele que come de tudo não deve desprezar o que não come, e aquele que não come de tudo não deve condenar aquele que come, pois Deus o aceitou. Quem é você para julgar o servo alheio? É para o seu senhor que ele está de pé ou cai. E ficará de pé, pois o Senhor é capaz de o sustentar. Há quem considere um dia mais sagrado que outro; há quem considere iguais todos os dias. Cada um deve estar plenamente convicto em sua própria mente. Aquele que considera um dia como especial, para o Senhor assim o faz. Aquele que come carne come para o Senhor, pois dá graças a Deus; e aquele que se abstém, para o Senhor se abstém, e dá graças a Deus. Pois nenhum de nós vive apenas para si, e nenhum de nós morre apenas para si. Se vivemos, vivemos para o Senhor; e, se morremos, morremos para o Senhor. Assim, quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor”. (Romanos 14:1-8)
O que Paulo quis dizer no capítulo 14 de Romanos? Qual o contexto das afirmações feitas?
Para compreensão deste texto, é analisar o fato de que em Deus não há nem sequer sombra de variação “De fato, eu, o Senhor, não mudo”. (Mal 3:6), ele não é mentiroso. “Fé e conhecimento que se fundamentam na esperança da vida eterna, a qual o Deus que não mente prometeu antes dos tempos eternos”. (Tito 1:2), Ele disse taxativamente: “Não violarei a minha aliança nem modificarei as promessas dos meus lábios. ” (Sl 89:34)
Romanos 14 precisa ser compreendido especialmente com o auxílio de 1Co 8:4 O fato que a carta escrita aos Romanos foi escrita num período de menos de um ano da carta escrita aos Coríntios, ou seja, comparando-se os textos, chega-se à conclusão que Romanos 14 trata do mesmo assunto de I Coríntios 8, ou seja, “carnes sacrificadas aos ídolos…” (1 Cor. 8:1).
Observe atentamente o que diz Romanos 14:2: “Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes. ”, em 1 Coríntios 8:7 definitivamente esclarece: “Entretanto, nem em todos há esse conhecimento; pois alguns há que, acostumados até agora com o ídolo, comem como de coisas sacrificadas a um ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, contamina-se.”
Assim como os Corintos, os da igreja de Roma estavam com medo de comer carnes que tivessem sido sacrificadas em templos pagãos. Havia pessoas que estavam com tanto temor que elas só comiam “legumes”. Desse modo, no verso 2 de Romanos 14 Paulo está dizendo: “o débil tem tanto medo de comer carnes que possam ter sido sacrificadas a ídolos que chega a comer só legumes”.
O fraco (Rom.14:2), ou de consciência fraca (1 Co 8:7) mencionado por Paulo consiste na falta de conhecimento visto que alguns cristãos se abstinham inteiramente de alimentos cárneos, o que significa que o seu alimento era restrito a “ervas”, isto é, vegetais “come só legumes” (Rm 14:2). Para o entendimento destas pessoas, os alimentos cárneos oferecidos aos ídolos não deveriam servir de alimento ao crente, no entanto Paulo repreendeu tal entendimento como imaturo: “Quanto, pois, ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só…” (I Cor 8:4). A partir deste verso passamos a compreender melhor o que Paulo disse aos Romanos: “estou certo no Senhor Jesus, que nada é de si mesmo imundo a não ser para aquele que assim o considera; para esse é imundo. ” (Rm 14:14), ele ainda diz sobre o perigo do mal testemunho em I Co 8:9,13 e também em Rm 14:13.
Conclusão: Paulo em Romanos 14 está falando a respeito de comer ou não carnes sacrificadas a ídolos.
Romanos 14: “Você é Livre para comer o que quiser! ”
Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja fortalecido pela graça, e não por alimentos cerimoniais, os quais não têm valor para aqueles que os comem. (Hb13:8,9)
Não devemos utilizar textos isolados ignorando a mensagem predominante na palavra de Deus sobre um determinado assunto. É sempre preciso ler os textos para entender seu contexto, a Bíblia não é feita de versículos isolados, ela é um livro e todo livro tem começo, meio e fim e como se entende TODO O CONTEXTO DE UM LIVRO? LENDO ELE POR COMPLETO! Assim também deve se proceder com a leitura bíblica!
“Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada e proíbem o casamento e o consumo de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ação de graças pelos que creem e conhecem a verdade. Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração”. (1 Tm 4: 2,5)
O JEJUM:
É comum ouvir de quem prática a abstinência da carne na sexta-feira santa dizer que com esta atitude a pessoa está “procurando COMPENSAR o sofrimento de Jesus” Compensar: Significa corrigir ou anular um mal, um dano é balancear o efeito de uma coisa com outra é anular a perda! – O jejum que a Bíblia ensina tem por objetivo fortalecer o Cristão, não tem jamais o objetivo de sofrer o que Jesus sofreu agindo assim a pessoa está apagando o sacrifício de Jesus na cruz. Nunca, jamais podemos anular o sacrifício de Cristo na Cruz! Isto é como que sacrificar Cristo novamente!
Não é por se abster de carne que o ser humano se purifica, mas sim fazendo a vontade de Deus que está na Bíblia!
Alegam que Jesus fez jejum de 40 dias e também por isso Jejuam. O jejum de Jesus não tem nada a ver com a semana santa (até mesmo porque essa semana santa, não está em nenhum registro do Novo Testamento), Jesus jejuou com o propósito de vencer tudo e de afastar tudo que estava por vir.
O jejum e um ato de fortalecimento espiritual. “Então Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome”. (Mt 4: 1,2). Podemos ver que Jesus jejuou para ficar forte espiritualmente e fraco na carne, pois sabia que na forma humana, iria ter que resistir ás tentações oferecidas por satanás a Ele no deserto, no entanto que Cristo o derrotou!
O jejum é algo muito pessoal e não há um dia específico para abdicar de algo. Jejum deve ser feito quando a pessoa sentir no coração e não através de uma obrigação! Jejuar é PARA SANTIFICAÇÃO INDIVIDUAL!
É comum ouvir a alegação de que Recusar publicamente ou exibir publicamente o jejum é uma forma de convencer as pessoas o desejo de também conhecer a Cristo por quem você está fazendo tal sacrifício! Quem pensa assim comete um grande erro! Pois a Bíblia nos diz claramente que ninguém deve saber quando você está fazendo Jejum e que o jejum deve ser SOMENTE entre você e Deus! “Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os homens vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa (Qual é a recompensa? Ora, serem vistos!). Ao jejuar, ponha óleo sobre a cabeça e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê no secreto. E seu Pai, que vê no secreto, o recompensará”. (Mt 6:16,18)
Mas temos que tomar cuidado no que diz respeito a “sacrificar”. Jejuar e orar são práticas para se fortalecer espiritualmente. Porque o próprio Jesus disse: Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum”. (Mateus 17:21) então jejuar não pode confundir com sacrifício!
O jejum não deveria ser um ato superficial e hipócrita. Não deveria ser praticado conforme o modelo dos líderes judeus que gostavam que todos vissem que jejuavam, que fingiam tristeza através de uma aparência forçada, que gostavam de serem vistos como pessoas muito espirituais. O jejum deveria ter o seu sentido original de dependência de Deus, de humilhação perante Ele, de aflição da alma e não ser praticado como um ato para o engrandecimento pessoal, de exaltação da religiosidade, ou para forçar Deus a agir em benefício de quem praticava este tipo de penitência.
O jejum deveria ser um ato individual e oculto. Deveria ser uma atitude interior, somente no coração do indivíduo. A expressão “unge a tua cabeça e lava o teu rosto” representa: Penteia o teu cabelo e não fique com o rosto desfigurado, de sofrimento. Jesus foi enfático em dizer: “para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai que está em oculto. ” A tristeza pelo próprio pecado, pelo sacrifício de um ser inocente sem pecados, deveria ser algo real no coração do homem temente a Deus, que certamente veria o coração do seu servo.
Jesus não condena o Jejum propriamente dito, mas, sim, somente o jejuar com exibicionismo. O jejum não se deve realizar diante dos olhos dos homens, mas diante de Deus que vive em segredo e o vê de lugar secreto. O jejum para Deus perde totalmente o seu valor quando é uma obrigação vinda de fora ou feito com o objetivo de se exibir.
Jejum significa abstinência, total ou parcial, de alimentação ou bebidas em determinadas horas ou dias, jejuar é não comer “ABSOLUTAMENTE NADA OU FAZER JEJUM DE FORMA PARCIAL”, MAS NUNCA, JAMAIS É SUBSTITUIR UM ALIMENTO POR OUTRO!  (Carne por peixe, por exemplo!)
Não se deve ser como sepulcros Caiados, o durante o ano vive no pecado da corrupção, gula, desobediência de todos os sentidos, falta de amor ao próximo e na sexta-feira santa fazem jejum de carne, mas, em contrapartida é trocada por bacalhau, salmão, camarão, etc, etc, isso não é jejum! Jejum é não comer nada é assim que a Bíblia ensina! Não adianta não comer carne vermelha e fazer ´´bacalhoada´´ Jejum nunca é substituir um alimento por outro!
Por ausência de justiça e de ter boas obras e bom testemunho, de levar uma vida em santidade, eles não eram ouvidos e seus jejuns não adiantavam de nada. “Pois dia a dia me procuram; parecem desejosos de conhecer os meus caminhos, como se fossem uma nação que faz o
Que é direito e que não abandonou os mandamentos do seu Deus. Pedem-me decisões justas e parecem desejosos de que Deus se aproxime deles. ‘Por que jejuamos’, dizem, ‘e não o viste? Por que nos humilhamos, e não reparaste? ’ Contudo, no dia do seu jejum vocês fazem o que é do agrado de vocês, e exploram os seus empregados. Seu jejum termina em discussão e rixa, e em brigas de socos brutais. Vocês não podem jejuar como fazem hoje e esperar que a sua voz seja ouvida no alto. Será esse o jejum que escolhi, que apenas um dia o homem se humilhe, incline a cabeça como o junco e se deite sobre pano de saco e cinzas? É isso que vocês chamam jejum, um dia aceitável ao Senhor? “O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? Não é partilhar sua comida com o faminto, abrigar o pobre desamparado, vestir o nu que você encontrou, e não recusar ajuda ao próximo? Aí sim, a sua luz irromperá como a alvorada, e prontamente surgirá a sua cura; a sua retidão irá adiante de você, e a glória do Senhor estará na sua retaguarda. Aí sim, você clamará ao Senhor, e ele responderá; você gritará por socorro, e ele dirá: Aqui estou. “Se você eliminar do seu meio o jugo opressor, o dedo acusador e a falsidade do falar; se com renúncia própria você beneficiar os famintos e satisfizer o anseio dos aflitos, então a sua luz despontará nas trevas, e a sua noite será como o meio-dia. O Senhor o guiará constantemente; satisfará os seus desejos numa terra ressequida pelo sol e fortalecerá os seus ossos. Você será como um jardim bem regado, como uma fonte cujas águas nunca faltam”. (Isaias 58: 2,11)
O Jejum nos Leva para mais perto de Deus com o propósito de matar a carne (os desejos carnais) e vivificar a Alma (Nos deixar mais próximos de Deus). Não é para fazer jejum e no dia seguinte continuar cometendo os mesmos erros. DEUS CONDENOU O JEJUM PRATICADO COMO ATO RELIGIOSO! O jejum, para Deus, não era simplesmente ficar sem comer, mas fazia parte de toda uma situação espiritual que deveria ser sincera para com Deus.
O jejum tem por objetivo um momento de consagração pessoal e fortalecimento espiritual visando vencer a si mesmo em busca de superar as necessidades do corpo, para ter domínio sobre ele, (Então do que adianta jejuar um dia e no outro brigar, falar palavrão, falar da vida alheia, ser arrogante, soberbo!), por isso a tradição de homens é pura religiosidade vazia que não te ajuda a crescer em nada, religiosidade não edifica (Não Cresce) ninguém!
Aquele que ama a Deus não vê dificuldade ou até mesmo não atribui a palavra sacrifício a nada que faz para Deus, pois faz porque A ama!
O jejum precisa de um propósito, senão torna-se sacrifício de tolo. (Mas um propósito de VOCÊ CRESCER ESPIRITUALMENTE COM CRISTO E NÃO DE SE JUNTAR, COMPENSAR AO SOFRIMENTO DE CRISTO!)
A purificação da nossa alma é mediante a leitura e a prática da Palavra de Deus. O jejum é ótimo para o corpo. Mas, sem a meditação da referida Palavra não purifica nada. Não é por se abster de carne que o ser humano se purifica, mas sim fazendo a vontade de Deus que está na Bíblia.
Qual o propósito do jejum? Receber benção espiritual, buscar a Deus, crescer espiritualmente.
A verdade é que de nada adianta o jejum sem obediência. O jejum é um corretivo divino que prepara a terra, quebra o orgulho, disciplina o corpo e humilha a alma.
Nosso Jejum é Cristo!
A CRUZ
A Cruz era necessária porque Jesus Cristo nos substituiu ali, que era nosso lugar, ele morreu por nossos pecados e a nossa morte, em nosso lugar, levou sobre si nossos pecados, doenças e iniquidades “Ele mesmo levou em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, a fim de que morrêssemos para os pecados e vivêssemos para a justiça; por suas feridas vocês foram curados”. (1 Pe 2:24)
Jesus foi maldito Ele morreu na cruz para que nossos pecados fossem perdoados. Então Ele se fez maldito para que os pecadores fossem perdoados, Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro…narra-se de uma lei da época e não uma profecia…como Jesus era desprezado o povo o teve como maldito e executou a lei…
Os ritos da sexta-feira onde nesse dia não ocorre a celebração da missa, apenas são feitas leituras e a adoração da cruz. Já no meio Evangélico não se adora a cruz, pois para nós Jesus está vivo e não morto! Nós acreditamos na morte e ressurreição de Cristo, mas a cruz não é um símbolo bom para os evangélicos e sim de maldição, no antigo testamento todo aquele que morria na cruz era amaldiçoado, então como o símbolo cruz refere-se à maldição, o que nós cremos é em um Jesus Vivo. Sabemos também da importância da cruz, mas não idolatramos este objeto como sendo sagrado quanto ao crucifixo. E se você se perguntar se Jesus morreu “para” nós eu digo que não, Ele ressuscitou “para” nós. Ele não morreu “para” nós, Ele morreu “por” nós, o que é diferente!
Quando se é celebrado a sexta-feira santa, está sendo celebrado um Jesus morto. Não podemos tentar sofrer o que Jesus passou naqueles dias, isto é comemorar um Cristo morto, devemos celebrar um Jesus vivo e todo poderoso. Para um verdadeiro Cristão a cruz tem de estar vazia, pois Cristo já ressuscitou e toda semana é Santa! Jesus está vivo! Está sentado á destra do Pai para ser o nosso advogado, Ele não está pendurado em uma cruz triste de cabeça baixa.
Para os evangélicos, Cristo não morreu, para nós Ele ressuscitou e vive eternamente, é nisso que acreditamos!
Tradição de Homens!
Não existe um versículo se quer da Bíblia que nos proíbe de comer carne, até mesmo porque é algo redundante quando o peixe também é “carne”. Mas as pessoas seguem “Tradições”, sem antes procurar saber a origem das mesmas, infelizmente a ICAR é adepta do “Sincretismo Religioso”, fazendo com que muitos que não tem entendimento bíblico seguir tradições pagãs totalmente anti-bíblicas, tais como procissão, páscoa com chocolates adorando a deusa Easter\Ostera. Deus é ÚNICO e não divide Sua Glória com ninguém!
“Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro” (Mt 6,24)
“Congregai-vos, e vinde; chegai-vos juntos, os que escapastes das nações; nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar” (Is 45:20)
Nenhuma tradição, costume, doutrina ou religião sejam elas quais forem, pode se sobrepor à Bíblia!
Não se deve seguir tradições impostas por homens, devemos seguir SOMENTE o que está na Bíblia (Leis de Deus) se não está na Bíblia e principalmente se não consta escrito no Novo Testamento, então NÃO foi Deus que mandou seguir! Portanto não somos Judeus e não vivemos sob as Leis de Moisés, agora vivemos na Graça e Cristo já cumpriu TODA A LEI por nós!
“Mas agora, conhecendo a Deus, ou melhor, sendo por ele conhecidos, como é que estão voltando àqueles mesmos princípios elementares, fracos e sem poder? Querem ser escravizados por eles outra vez? Vocês estão observando dias especiais, meses, ocasiões específicas e anos! Temo que os meus esforços por vocês tenham sido inúteis”. (Gl 4: 9,11)
Veja bem como a Bíblia é clara em nos ensinar a verdade, as pessoas estão agarradas a tradições de homens não abrem mão destas tradições mesmo sabendo que é contra tudo que Jesus e os profetas ensinaram!
O manual de todo e qualquer cristão deve ser a Bíblia e não tradições de homens! Como cristãos, devemos discernir o que é a violação de um princípio bíblico e o que é a aplicação da sabedoria da Palavra. Percebemos que as tradições desviam e substitui os verdadeiros compromissos com os ensinamentos da Palavra de Deus e isto é de procedência maligna, pois o compromisso do homem deve ser com Deus através de Sua Palavra e não com tradições que desviam as pessoas da verdade, cristianizando culturas pagãs, por exemplo!
O problema de pessoas “Religiosas” é que estes sabem tudo o que a igreja diz, mas não o que a Bíblia diz! Popularmente se diz que todas as religiões são boas e falam de Deus. Mas, o que andam falando de Deus? Será que tudo o que falam de Deus é verdade e está de comum acordo com a Bíblia? O que a Bíblia diz sobre as outras formas de culto? A Palavra de Deus diz “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! ” (Is 5,20)
Em meio a humanidade existe muitas tradições ditas como verdades cristãs, mas que vem de culturas pagãs. O problema não está nas comemorações e sim nas ocultações desses símbolos e festejos. Conhecer é cultura! A própria Palavra diz e a verdade vós libertará, assim não iremos defender como sendo santo algo que tem sua raiz no paganismo. Não devemos ficar igual passarinho no ninho se alimentando somente o que colocam na nossa boca!
“Conhecereis a Verdade e a Verdade os libertará se permanecer na Palavra de CRISTO”. (João 8.31,32)
A Bíblia é a Palavra de Deus e tudo o que Nela está é a verdade que devemos praticar, quando alguém por tradição ou via religião ensina algo que a Bíblia não cita é anti-bíblico, principalmente se esta fizer adoração\reverência a outros deuses, não é verdade nem dá vontade de Deus que pratiquemos, pois na Bíblia cita todos os ensinamentos que devemos praticar para que possamos ter e manter comunhão com Deus, fora disso é de procedência maligna. “Examinai as Escrituras porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (João 5.39)
Todo o valor se perde quando biblicamente se faz as coisas diferente daquilo que a Bíblia, ensina. Pois em muitas regiões do país, ainda se come galinha sufocada, ou seja, galinha estrangulada o que biblicamente é proibido e estas mesmas pessoas que comem galinha dessa forma são as que comem peixe na sexta-feira santa, porque consideram pecado comer carne? Quando se segue tradição do homem tudo o que realmente deve ser considerado e valorizado se perde!
Ele respondeu: “Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens. Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens”. (Marcos 7:6,8)
A Bíblia é a única regra de prática, fé e conduta para os que creem em Jesus. Por ser ela a Palavra de Deus. Nenhuma igreja, nenhum Padre\Pastor pode recomendar que se faça o que a Palavra de Deus não recomenda. E se a igreja recomenda um
Ritual, ou um princípio, ou um ensinamento está fora dos ensinamentos que Jesus ensinou por meio da Sua Palavra. Nossas doutrinas são firmadas primeiramente na Palavra de Deus.
“Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos”. (2 Tm 4: 3,4) – Coceira nos ouvidos, comichão nos ouvidos. Significa “uma coceira ao ouvir a verdade”, ou seja, as pessoas estarão “à procura de palavras que lhes bem agradam. ” E hoje infelizmente já está assim, onde se prega somente o que as pessoas querem ouvir e não o que elas precisam ouvir! Atualmente só se busca aquilo que massageia seu próprio “ego”! Como no texto de 2 Tm 4:3, percebemos que nos últimos dias as pessoas procurariam mestres que falariam só o que elas querem ouvir, desviando-se da verdade.
O problema é lembrar de Jesus Cristo somente na Páscoa. Quando alguém faz sexo antes do casamento, é pecado. O que adianta o marido bater na esposa e nos filhos o ano todo, trair a esposa\marido, se embebedar até cair, falar palavrão, mentir, roubar, fofocar o ano inteiro, mas não come carne na sexta-feira porque é pecado? Ora, isso é hipocrisia!
Muitos dos que hoje frequentam as igrejas, fazem ofertas a Deus na forma de práticas religiosas. Que ninguém pense que as obras religiosas em si agradam a Deus. Ele não encontra prazer em pessoas que tentam ganhar seu favor através da religiosidade vazia, vinda de tradições de homens, em vez de realmente aplicar sua Palavra na mudança de vida. Ser religioso, ir à Igreja, trabalhar em um departamento, fazer doações à assistência social, etc. Não é suficiente se não agirmos com VERDADEIRA devoção e obediência a Deus. E estas ações também não garante sua entrada no céu, ou seja, boas ações não garante a Salvação da Alma! Para entender mais sobre este tema (Click aqui)
Se o coração de uma pessoa estiver longe de Deus, qualquer ritual será apenas uma imitação vazia. Comida e bebida nunca tornou ninguém mais santo nem menos santo o que nos santifica é a Palavra de Deus quando praticada corretamente. Mais o povo só gosta de religião é por isso que vivem escravizados e cada dia distantes de Deus. “Antes, quando vocês não conheciam a Deus, eram escravos daqueles que, por natureza, não são deuses”. (Gl 4:8). Portanto sejamos Cristãos e não religiosos, seguindo tradições e doutrinas impostas por homens, devemos seguir somente o que está na Bíblia. Ora, se nela não está, logo então não devemos seguir!
Algumas datas que hoje são comemoradas\celebradas em determinadas igrejas, dizem que foi criada de forma simbólica para lembrarem do sofrimento de Cristo. A Bíblia foi escrita para guiar seu povo, ela foi inspirada pelo Espirito Santo, nunca podemos retirar ou acrescentar uma vírgula deste Livro, então cuidado com tradições imposta pela “religiosidade” do homem! Pois o que vem da boca do homem pode vir da boca de Satanás, pois ele manipula todos na terra! Precisamos estar atentos para não sermos enganados porque “não é de se admirar, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz” (II Co 11.14)
Seja Cristão e não Religioso o Cristianismo puro não é “religião”, mas sim “religar” o homem caído a Deus!
Cerimônias religiosas ou rituais são vazios, pois Deus não segue tradições de homens!
“Pois se alguém prega outro evangelho que não seja esse que estou pregando e anátema”. (Gl 1:9) – Anátema significa maldição, condenação.
Vida Santa!
Deus não desejava os rituais dos israelitas. Ele queria seus corações!
De que adianta ficar três dias sem comer carne e depois escarnecer o restante do ano? Passa uma semana sem pecar, sem comer carne e o resto do ano fazendo toda a vontade da carne? Isso se chama hipocrisia e religiosidade, temos que nos esvaziar, desse tipo de atitude que não leva ninguém para o céu.
Você pode comer carne, costela, peixe, o que quiser, porque a sexta feira não é santa, santo devem ser TODOS OS DIAS. Santo significa ser separado.
Deus vê a intenção do coração e sabe quem é bom ou mau.
Quarta-feira de cinzas todos os católicos vão para a igreja, mas nos dias anteriores comemora o carnaval, festa onde tem bebedice, sexo, drogas, morte, etc. Onde está Deus na vida destes que praticam tal ato, pessoas que escarnecem justamente da carne? Escarnecer significa: Corromper-se com as coisas da carne, ou seja, zombaria, mentira, desonestidade, egoísmos, luxúria (Atração pelos prazeres carnais), maldade, lascívia (Que é sensualidade exagerada)
Não existe um dia santo para um coração convertido, pois TODOS os dias devem ser vividos em santidade! Não existe semana, dia ou mês que deve ser santo ou datas exclusivas para as pessoas pensarem em se santificar. Devemos é viver uma vida santa conforme a Bíblia e todos os dias de nossa vida por que Sem santificação ninguém verá a Deus, ou seja, entrará no céu salvo. “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor”. (Hebreus 12:14)
O período da quaresma tem como objetivo ser um tempo no qual as atividades e hábitos pecaminosos são abandonados e na quarta-feira de cinzas é o início deste período de arrependimento (Pecados devem ser abandonados a cada segundo! E não por 40 dias e o arrependimento é diário e não tem dia e hora para começar e terminar!)
Tradições impostas pela religião, inspirada unicamente por homens, não oferece espiritualmente
Proveito algum. Não adianta deixar de comer carne na páscoa ou em qualquer outra data, se sua condição de vida é o pecado, se você não abandonar a prática do pecado, Jesus não tem parte alguma contigo. Perguntinhas bem básicas para seu auto avaliação: Você bebe? Você faz uso de drogas lícitas ou ilícitas? Você fala mal dos outros pelas costas? Você se curva diante de outros deuses? Você arruma encrenca por tudo? Você faz sexo sem estar casado? Você faz sexo além da sua esposa\marido? Você frequenta festas que lhe dão prazer carnal, tais como “carnaval, libertinagens, fornicação, orgias”. Você se diverte cantando e dançando músicas do mundo em que nada te edificam?
“Eu odeio e desprezo as suas festas religiosas; não suporto as suas assembleias solenes. Mesmo que vocês me tragam holocaustos e ofertas de cereal, isso não me agradará. Mesmo que me tragam as melhores ofertas de comunhão, não darei a menor atenção a elas. Afastem de mim o som das suas canções e a música das suas liras. Em vez disso, corra a retidão como um rio, a justiça como um ribeiro perene! ” “Foi a mim que vocês trouxeram sacrifícios e ofertas durante os quarenta anos no deserto, ó nação de Israel? Não! Vocês carregaram o seu rei Sicute, e Quium, imagens dos deuses astrais, que vocês fizeram para si mesmos. Por isso eu os mandarei para o exílio, para além de Damasco”, diz o SENHOR, o Deus dos Exércitos é o seu nome”. (Amós 5:21,27)
Em que adianta fazer todas essas tradições e matar Cristo todos os dias, falando mal das pessoas pelas costas, arrumando encrenca por aí, trair o seu cônjuge, quebrar tudo em casa, batendo na esposa e nos filhos, não respeitando seus pais, usando drogas, bebendo e dirigindo, ofendendo pessoas no trânsito, ser arrogante, soberbo, mentir?
De que adianta fazer esse tipo de jejum com esses significados e não reconhecer que é escravo do pecado? “De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele? ” (Rm 6,2)
Cristo é o cordeiro e nos amou e se sacrificou. Devemos lembrar deste sacrifício todos os dias e não somente em um dia ou semana ou mesmo 40 dias. Hoje não à carne e amanhã sim ao pecado? JESUS é a verdadeira Santidade!
Isso sem falar no dia de malhar Judas, o que é um estímulo à violência, Jesus nunca fez nenhuma demonstração de espancamento ou disse que era para incitar\estimular as pessoas a agir assim, Jesus quando foi expulsar a legião de demônios que estava na vida do endemoninhado Gadareno, mandou os espíritos para os porcos, nem Ele saiu espancando alguém e mesmo que se trata de um boneco, isto não é necessário! Jesus nunca deu exemplo de espancamento, Deus rejeita qualquer tipo de violência, Deus é AMOR!
“Quando Jesus desembarcou, um homem com um espírito imundo veio dos sepulcros ao seu encontro. Esse homem vivia nos sepulcros, e ninguém conseguia prendê-lo, nem mesmo com correntes; pois muitas
Vezes lhe haviam sido acorrentados pés e mãos, mas ele arrebentara as correntes e quebrara os ferros de seus pés. Ninguém era suficientemente forte para dominá-lo. Noite e dia ele andava gritando e cortando-se com pedras entre os sepulcros e nas colinas. Quando ele viu Jesus de longe, correu e prostrou-se diante dele, e gritou em alta voz: “Que queres comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te por Deus que não me atormentes! ” Pois Jesus lhe tinha dito: “Saia deste homem, espírito imundo! ” Então Jesus lhe perguntou: “Qual é o seu nome? ” “Meu nome é Legião”, respondeu ele, “porque somos muitos”. E implorava a Jesus, com insistência, que não os mandasse sair daquela região. Uma grande manada de porcos estava pastando numa colina próxima. Os demônios imploraram a Jesus: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”. Ele lhes deu permissão, e os espíritos imundos saíram e entraram nos porcos…” (Mc 5: 2,13)
O essencial para chegarmos próximo a Deus é a renúncia diária do pecado! O que realmente interessa para Deus na nossa comunhão com Ele é praticar a Palavra como Ele ensinou e nada mais, é isso que nos salva, quem se arrepende de seus pecados e se converte ao EVANGELHO é perdoado de seus pecados.
Todos os dias devem ser passados com respeito, e com a lembrança de Cristo que é o nosso salvador. “Mas, assim como é santo aquele que os chamou, sejam santos vocês também em tudo o que fizerem, pois está escrito: “Sejam santos, porque eu sou santo”. (1Pe 1:15,16)
Deus não quer uma semana santa, mas uma VIDA SANTA!
A Palavra de Deus nos explica sobre fazer Sacrifício de Tolo!
Sacrifício de tolo é afligir o corpo a carne em detrimento da vida espiritual, mas não se desviar da prática do pecado e não ouvir o que a Palavra de Deus diz, quer na leitura diária, quer nas reuniões dos santos nas igrejas ou em qualquer outro lugar.
Cristo foi nosso sacrifício vivo, que por uma só vez nos remiu e hoje somos santificados e salvos por Ele.
Muitos vão até as igrejas ou reuniões e não deixam a prática do pecado e não se inclinam para ouvir a Palavra de Deus. Deliberadamente procuram fazer grandes expressões de fé (sacrifícios); afligem seu corpo sua carne de várias formas buscando uma “santificação” e geralmente essas pessoas ficam frustradas, pois seus “sacrifícios” não produzem absolutamente nada porque não fazem primeiramente deixar a pratica do pecado e parar e se inclinar para ouvir a Palavra.
A grande dúvida que surge nas Escrituras é Em I Samuel 15:22, onde diz que obedecer é melhor que sacrificar. Se em Lucas 9:23 diz: Se alguém quiser vir após mim negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me.
Negar a si mesmo não seria um sacrifício? Tomar a cada dia a sua cruz não seria um sacrifício?
“Sacrifícios Espirituais” para quem “AMA DEUS”, não é um sacrifício e sim um ato de “AMOR”, ou seja, é simplesmente “Um Prazer Espiritual”
A Obediência é a chave para a liberdade!
O sentido aí é não fazer sacrifício de tolo, tipo se cortar e achar que Deus se agrada, subir de joelhos degraus de escadarias de igrejas achando que Deus se agrada.
Deus não requer sacrifício de tolo. Não adianta sacrificar-se, se não tivermos constante obediência, enfim, primeiramente Deus exige que tenhamos amor e obedeçamos.
Ele mostrou a você, ó homem, o que é bom e o que o Senhor exige: Pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus”. (Miqueias 6:8)
Deus quer Obediência e não sacrifício!
“Pois desejo misericórdia, não sacrifícios, e conhecimento de Deus em vez de holocaustos”. (Oseias 6,6)
O significado de misericórdia na Bíblia é traduzido por vezes por: amor, caridade, compaixão, etc., porém, o conceito que se dá do termo é ‘obediência’. Compare:
“Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício” (Os 6:6);
“Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar” (1Sm 15:22).
O benigno, o sincero, o puro, o misericordioso é aquele que obedece a Palavra do Senhor. A Palavra proferida por Deus. “E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos” (Êx 20:6)
A Icar coloca para seus fiéis não comer carne como um ato de PENITÊNCIA (Penitência significa: Arrependimento ou Remorso por erros que se cometeu, por haver ofendido os mandamentos divinos), porém a Bíblia ensina que o arrependimento acontece quando aceitamos e reconhecemos Jesus como nosso Único Salvador e nos Batizamos nas águas do Santo Batismo na idade de saber discernir o que é arrependimento e não quando somos ainda crianças e nada entendemos! Logo então nosso arrependimento deve ser TODO DIA e não apenas em um dia do ano. O interesse maior de Deus não é a penitência, mas sim um coração quebrantado!
Deus não quer a adoração daqueles que o fazem apenas por exibição. Se estiver em pecado e usar rituais e tradições religiosas para dar a impressão de que é uma pessoa boa, Deus desprezará está adoração e recusará o que você está oferecendo. Ele deseja corações sinceros. Deus não está interessado em penitências; Ele quer um coração quebrantado e arrependido.
“Todo caminho do homem é reto aos seus olhos; mas o Senhor pesa os corações. Fazer justiça e julgar com retidão é mais aceitável ao Senhor do que oferecer-lhe sacrifício” (Pv 21:2,3)
PRÁTICA RELIGIOSA JESUS SEMPRE COMBATEU.  FEZ MUITO ISSO COM OS ESCRIBAS E FARISEUS!!!
Disse que são como belos túmulos bonitos por fora, mas cheio de podridão por dentro, a beleza das tradições criada pelos homens é bonita por fora (Páscoa, Natal, procissão, tapetes coloridos…), mas no interior nada edificam (Edificar é fazer crescer) em nada estas tradições do homem transformam o caráter e os corações!
“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície. Assim são vocês: por fora parecem justos ao povo, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e maldade” (Mt 23: 27,28)
O sacrifício era (não precisa mais disso!) Então, ele era um ritual que demonstrava a comunhão entre o homem e Deus. Mas se o coração da pessoa não estivesse verdadeiramente arrependido ou se ela não amasse o Senhor de verdade, o sacrifício se tornava uma cerimônia vazia. No Velho Testamento pessoas faziam sacrifícios a Deus, mas seus corações não eram convertidos.
Aliás, esses sacrifícios eram feitos justamente por causa do PECADO que eles praticavam, aí faziam o sacrifício e logo depois cometia pecado de novo. Os Fariseus faziam rituais religiosos e isso não valia de nada para Deus visto que seus corações eram hipócritas. Os fariseus eram religiosos e vazios!
O QUE DEUS QUERIA REALMENTE ERA QUE ELES DEIXASSEM DE PECAR!
Consequentemente, os israelitas pagariam o preço por sua desobediência e pensar que seus sacrifícios eram suficientes, com isto foram cativos (escravos), por serem rebeldes. Esta escravidão está nos dias de hoje, ligado à escravidão que doutrinas impostas por homens que pregam tradições humanas e não segue o que a Bíblia diz, logo deixando o povo cativo em tradições vazias! Deixando o povo escravo de tradições que em nada edifica!
“Ouça, ó terra: Vou trazer desgraça sobre este povo, o fruto das suas maquinações, porque não deram atenção às minhas palavras e rejeitaram a minha lei. De que me serve o incenso trazido de Sabá, ou o cálamo aromático de uma terra distante? Os seus holocaustos não são aceitáveis nem me agradam as suas ofertas”. (Jeremias 6:19,20)
Deus em toda a história da humanidade sempre requereu de nós cristãos a obediência, desde o jardim do Éden o homem foi provado para saber se era obediente ou não. Deus não deseja ofertas queimadas; Ele quer nosso constante serviço, durante toda a nossa vida.
Samuel, porém, respondeu: “Acaso tem o Senhor tanto prazer em holocaustos e em sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? A obediência é melhor do que o sacrifício, e a submissão é melhor do que a gordura de carneiros”. (I SAMUEL 15:22)
Não adianta ter uma cruz e não obedecer a DEUS. Não adianta nada nós fazermos sacrifícios tentando sentir o que Jesus sentiu no momento da crucificação que será em vão, pois não chegaremos nem perto, Jesus é muito mais que sacrifícios e religião Jesus é único, é amor, paz não podemos querer ser Jesus. Temos que temer a Deus e buscar conhecimento, sabedoria as Suas Palavras e não acreditar o que um e outro diz, temos que acreditar somente na Bíblia! Temos que ser mais forte que nossa carne e principalmente alimentar sempre nosso espirito.
“O sacrifício dos ímpios é abominável ao SENHOR, mas a oração dos retos é o seu contentamento” (Provérbios 15:8)
Não adianta fazer festas e não praticar os ensinamentos! Em que isto implicará na salvação, se o maior sacrifício já foi feito na cruz do calvário? Temos que fazer abstinência do pecado e não de comida, mais é muito mais difícil abandonar o pecado do que certos tipos de comida. Se caso sentir mais fome, coma mais peixe! Onde está o sofrimento nisso? Sacrifício recomendado pelo homem, não por Jesus!
Devemos lembrar de Jesus ressuscitado. Jesus não quer que façamos mais nenhum sacrifício, pois tudo e todo sacrifício Ele já fez por nós na cruz, carregando sobre si todos os nossos erros.
Jesus não quer que façamos nenhum tipo de sacrifício com nosso corpo (Chicotear-se, andar km de joelhos e\ou a pé se esgotando fisicamente)! Jesus quando foi sacrificado na cruz por nós, ali Ele já passou por tudo aquilo para que não precisássemos fazer nada disso, ali Jesus nos libertou. Fazer estas coisas é o mesmo que anular todo o sacrifício que Jesus fez por nós! É como se tudo o que Ele passou não valesse de absolutamente NADA!
Nunca devemos anular o sacrifício de Jesus por nós. Qualquer oferta pelo pecado hoje é inútil. “Onde essas coisas foram perdoadas, não há mais necessidade de sacrifício pelo pecado”. (Hb 10:18)
Outra coisa que Deus rejeita é fazer esses sacrifícios e postar em redes sociais para que todos vejam, assim como pés feridos, fotos de pessoas se chicoteando, andando de joelho e ou sua própria foto fazendo tudo isso. Deus te chamou para “SERVIR” e não para “SER VISTO! ” Jesus já se sacrificou por nós, Ele não requer nada de nós em forma de sacrifício!
As Boas práticas que não são religiosas são: Dizer a verdade, fazer oração por outras vidas, visitar doentes, dar aos necessitados, sair anunciando o Evangelho, levar a Paz. Fazer estas coisas vai agradar muito mais a Deus, do que se auto torturar!
Quando se faz algum sacrifício se autoflagelando a pessoa está anulando o sacrifício de Jesus por nós, ou seja, está crucificando Cristo novamente! Deus não deseja sacrifícios; Ele quer nossa obediência! O que devemos ter é a conversão do coração. Todos os gestos exteriores de nada valem se não conduzem a uma renovação do coração.
“E que amá-lo de todo o coração, e de todo o entendimento, e de toda a alma, e de todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, é mais do que todos os holocaustos e sacrifícios” (Mc 12.33)
Não se deve simular um suposto desejo de deixar o pecado ou até mesmo uma conversão. De que adianta fazer tudo isso e não reconhecer sua natureza pecaminosa? “Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde que me concebeu minha mãe. ” (Salmos 51:50) – De que adianta fazer esse tipo de jejum com esses significados e não reconhecer que é escravo do pecado “Jesus respondeu: “Digo-lhes a verdade: Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado” (João 8:34)
A Bíblia é a maior profecia, não é comendo ou deixando de comer carne que você vai ofender, insultar ou desrespeitar Jesus e sim suas atitudes. Deus quer um coração puro e mãos limpas. Deus deseja, em primeiro lugar, nosso amor e nossa obediência.
Obedecer é melhor do que Sacrificar! Como desde o dia em que Cristo foi sacrificado todos os dias devem são santos, então procure ser a melhor pessoa do mundo, procure ter sua consciência sempre limpa diante de Deus e diante dos homens, independente do que come. Separe cada dia pra Deus, lendo a Bíblia, orando, louvando seu nome, isto sim irá agrada-Lo.
Práticas de tradições religiosas não aproxima ninguém de Deus e nem garante a Salvação da Alma!
Deixar de comer isso ou aquilo porque foi uma observação criada pelo ser humano. Nós não precisamos disso, Deus quer que sejamos obedientes. Devemos e precisamos viver o que Jesus ensinou!
“O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (SALMOS 51:17)
Mas, uma vez que ofertas e sacrifícios de animais não fazem mais parte da adoração cristã, ainda se exige de nós algum tipo de sacrifício de nós no Novo Testamento? Sim! “Vocês também estão sendo utilizados como pedras vivas na edificação de uma casa espiritual para serem sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo”. (1 Pedro 2:5). Devemos fazer sacrifícios, só que outro tipo.
Jesus Cristo levou uma vida de sacrifício no seu serviço a Deus e por fim ofereceu-se em benefício da humanidade. Por isso, ele declarou: “Então Jesus disse aos seus discípulos: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. ” (Mateus 16:24). Isso significa que quem quiser tornar-se seguidor de Jesus precisa fazer sacrifícios.
Em primeiro lugar, o verdadeiro seguidor de Cristo não vive mais para si mesmo, mas para fazer a vontade de Deus. (Isto não é sacrifício e sim OBEDIÊNCIA). Ele sujeita sua vontade e seus desejos aos de Deus. Note como o apóstolo Paulo expressou isso: “Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. (Rm 12:12)
Além disso, a Bíblia indica que nossas expressões de louvor podem ser consideradas sacrifícios oferecidos a Deus. O profeta Oséias citou “ (…) te ofereçamos o fruto dos nossos lábios”. (Oséias 14:2), isto indica que Deus considera os louvores de nossos lábios como um dos melhores sacrifícios. O apóstolo Paulo incentivou os cristãos hebreus: “Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome. ” (Hebreus 13:15)
A Palavra de Deus no Novo Testamento nos manda oferecer sacrifícios Espirituais. Sacrifícios espirituais não é oferta pelos pecados, pois Jesus Cristo já foi a oferta
Pelos nossos pecados. Mas sim uma oferta de amor e adoração a Deus. “Amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de todas as forças, e amar ao próximo como a si mesmo é mais importante do que todos os sacrifícios e ofertas”. (Mc 12: 29,33)
No Velho Testamento quem oferecia o sacrifício era só Sacerdote. Hoje na Nova Aliança todo o aquele que crê em Jesus Cristo é um sacerdote. Portanto pode oferecer sacrifícios espirituais a Deus. “Vocês, porém, são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. (1 Pe 2:9)
Sacrifício espiritual é algo que está no coração, é um coração quebrantado é louvar com o coração é Procurar agradar a Deus e não aos homens “Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome”. (Hb 13:15). Sacrifício espiritual é praticar boas obras, pois com tais sacrifícios Deus se agrada “Não se esqueçam de fazer o bem e de repartir com os outros o que vocês têm, pois de tais sacrifícios Deus se agrada”. (Hb 13:16)
Quando uma pessoa nega a si mesmo ela está fazendo isso por que está “obedecendo” a vontade de Deus e não a sua própria. E ISTO NÃO É SACRIFÍCIO É UM ATO DE AMOR!
Deus quer que sejamos como Um Sacrifício Vivo!
O Que Significa Ser Um Sacrifício Vivo? Não como um sacrifício no altar (tal como a Lei Mosaica exigia ser o sacrifício de animais), mas é ter uma vida oferecendo-se ao Senhor como sacrifício vivo. Como crentes, perguntamo-nos como é que nós nos consagramos e oferecemos a Deus como sacrifício vivo?
O que é apresentar os nossos corpos por sacrifício vivo?
Sacrifício é o oferecer, dar vida em favor de algo ou alguém. Quando oferecemos os nossos corpos por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, o que precisamos entender que estamos fazendo? Estamos nos oferecendo a Deus, nos entregando a Deus, colocando os nossos corpos em suas mãos para que Ele realize o seu propósito. Fazemos isso como um culto, honrando e respeitando a sua vontade e o seu querer.
O que precisamos entender é este aspecto fundamental de nossas vidas. O nosso corpo que está morto por causa do pecado, que aparentemente é um instrumento inútil, pode se tornar útil para cumprir o propósito de Deus. Como Deus se revela ao mundo? Precisamos entender que Ele se revela ao mundo através de nós, do que somos e do que fazemos (através do nosso testemunho, do nosso entrar e sair). Os nossos corpos podem ser utilizados para a manifestação daquilo que o nosso Deus é. Por isso, quando falamos de se oferecer como sacrifício vivo, é isto que devemos entender: O nosso corpo, morto por causa do pecado, pode ser vivificado e usado como instrumento da justiça e revelação da vontade de Deus.
Para nós, que estamos em Cristo pela Sua graça através da fé salvadora, a única adoração aceitável é esta: ilimitadamente [e diariamente] oferecermos nós mesmos ao Senhor [tudo de nós, sem nenhuma reserva]. Sob o controle de Deus, o corpo ainda não resgatado do crente pode e tem que ser cedido, entregue a Ele como um
Instrumento de justiça. “Portanto, não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos. Não ofereçam os membros dos seus corpos ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros dos seus corpos a ele, como instrumentos de justiça. Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça”. (Rm 6:12,14)
Agora, quando estamos oferecendo os nossos membros, o nosso corpo para o pecado, para a prática do pecado, o que estamos fazendo? Estamos negando a Deus, negando um culto a Deus, estamos oferecendo sim, o nosso corpo para o pecado, para cumprir os desejos da carne e não estamos cultuando a Deus; e sim honrando o príncipe deste mundo (diabo!)
Por isso, Paulo, ao escrever isto aos romanos, ele recomenda que cada um transforme pela renovação da mente, ou seja, mudarmos a forma de pensar. Quando fazemos assim, ou seja, olhamos com os olhos de Deus, olhamos segundo o caráter e a natureza divina, iremos entender todo o propósito e querer de Deus para as nossas vidas, e ao compreendermos experimentaremos a Sua boa, perfeita e agradável vontade. E ao tomarmos conhecimento desta, o que fazemos? Nós oferecemos mais a Deus. E aos nos oferecermos a Deus, mais experimentaremos de Sua vontade.
Por isso não podemos viver para o nosso querer, para buscar o nosso interesse e a nossa vontade; estamos aqui, como filhos, resgatados do pecado e da morte, para a vida, para sermos instrumentos de justiça, para a manifestação da glória e do querer SOMENTE de Deus.
Que o Senhor abra o nosso entendimento, os nossos olhos espirituais, nos conceda da Sua sabedoria, e nos permita servir e honrá-lo não como pensamos que devemos fazer, mas sim, como Ele deve ser honrado e glorificado. Que todo o nosso ser: corpo, alma e espírito, sejam instrumentos nas mãos de Deus para o cumprimento e revelação de tudo o que Ele é. Isto, feito de forma racional, como um culto oferecido, como um sacrifício vivo. E que nós possamos ter a mesma atitude de Jesus, e afirmarmos que a nossa comida, a nossa bebida é fazer a vontade do Pai, sem qualquer chama de hipocrisia;
Que Jesus abra a nossa mente para entendermos a sua Palavra, assim como fez com seus discípulos:
“Então Jesus abriu a mente deles para que eles entendessem as Escrituras Sagradas” (Lucas 24:45)
Deus quer discípulos que vivam o Evangelho e não sofredores! 
Deus não deseja sacrifícios; Ele quer nossa obediência!
Deus Abençoe a Todos!
Fonte: Vatican.com
Adaptação Pr. Edivaldo Pereira